Compartilhe esta página no Facebook

Compartilhe esta página no G+

Pesquisar no site

A Síndrome de Estocolmo e o Cristianismo: Semelhanças Reveladas Numa Experiência Pessoal


Certa ocasião sofri um sequestro relâmpago. Foi uma situação difícil. Senti uma grande alteração na capacidade cognitiva e emocional durante o fato que durou aproximadamente 1 hora. Felizmente não sofri violência física. Logo depois de liberto, percebi algo muito interessante: A conversão ao cristianismo tem efeito psicológico similar ao de um sequestro. Há 3 princípios básicos que sequestradores e a religião cristã compartilham:

1. Instauração do Medo

Os sequestradores me fizeram uma grave ameaça: Se não cooperar vamos te matar! Temeroso quanto minha integridade física e minha vida, lembrei das orientações das autoridades de segurança que vemos em noticiários de TV e procurei manter a calma. A capacidade de persuasão (revólver) dos sequestradores e minha desvantagem numérica (1:2) me fizeram concluir que a melhor alternativa era mesmo cooperar.

Uma prática comum no cristianismo é também a instauração do medo. Embasados na Bíblia (Mt 10.28; Ap 21.8, etc.) ministros eclesiásticos pregam morte, infortúnios e condenação divinos para quem não se adaptar aos princípios cristãos. O medo produzido por este sequestro intelecto-emocional leva o cristão a dispor de seus recursos em prol dos objetivos determinados por seus líderes eclesiásticos.

2. Promoção da Esperança

Quando os sequestradores constataram minha cooperação cega, fizeram o seguinte comentário: Tu és gente boa, vamos te deixar viver! Ouvir aquilo me foi um alívio, julguei ter agradado aos sequestradores. Meus sentimentos a partir deste momento foram de esperança de vida.

A preocupação em agradar a Deus para evitar as ameaças de infortúnios e alcançar as promessas de vida eterna ou simplesmente de uma vida terrena melhor (Jo 3.16; Mt 19.17; etc.) é uma constante no dia-a-dia do crente fiel. A esperança nas promessas complementa o medo das ameaças como a corrente que puxa o cativo complementa o chicote que o repele em uma mesma direção e ao bel prazer de seu algoz. A fórmula medo-esperança é extremamente eficiente para levar seus cativos ao servo-doutrinamento.

3. Servo-doutrinamento

Fotografia do assalto a
banco, em 1973, que deu
origem ao nome da síndrome
 
Depois de algum tempo, em conversas com os sequestradores, fui convencido que me sequestraram forçados pelas circunstâncias, que eram boas pessoas e não faziam isso por mal. O interessante é que realmente acreditei e passei a me colocar no lugar deles. É lógico que em sã consciência ninguém acreditaria que alguém que lhe faz ameaça de morte é bom.

A simpatia pela causa dos sequestradores por parte de reféns libertos é um estado patológico conhecido como Síndrome de Estocolmo. Esta síndrome se desenvolve a partir das tentativas da vítima de se identificar com seu captor com o fim de conquistar sua simpatia para manter-se viva. Seu nome faz referência ao famoso assalto de Norrmalmstorg do Kreditbanken em Estocolmo, Suécia, que durou 6 dias, de 23 a 28 de agosto de 1973. Neste acontecimento as vítimas continuaram a defender seus captores meses depois de libertas.

No cristianismo, como num sequestro que leva à síndrome de Estocolmo, os seguidores são doutrinados a acreditar que a entidade Deus é boa e os ama mesmo os ameaçando de morte e infortúnios. O medo produzido por tais ameaças, aliado às promessas, tem como consequência um estado de defesa, simpatia e submissão aos símbolos, entidades e líderes eclesiásticos que os mantém cativos.

Ver também Três Motivos para Crer em Deus e Por Que a Crença em Deus é Irracional e Infantil

7 comments:

  1. Orlando-BA8:50 AM

    Ao anônimo 2:
    Você é um exemplo da lavagem cerebral que o autor descreve: o crente é convencido de que, apesar das ameaças que Deus lhe faz, ele é bom.
    Na verdade deus sequer existe, é uma ferramenta criada pelo homem para subjugar o próprio homem.

    ReplyDelete
  2. Texto excelente.
    É exatamente assim que funciona, impondo o medo de uma punição, oferecendo a esperança de uma salvação.

    ReplyDelete
  3. Ótimo texto, deveria escrever um livro sobre o assunto

    ReplyDelete
  4. Excelente o texto, porém, não se pode generalizar.
    Vemos hoje em dia muitos casos que provam seu texto, mais existem instituições que não se apropriam do medo,esperança e doutrinas para grangear ninguém.

    ReplyDelete
  5. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  6. especifique quais são essas instituições que mexem com religião e nao põe algum tipo de medo.

    ReplyDelete

Pregações, palavras de baixo calão, ofensas pessoais, práticas de trollagem, rotulações e argumentos ad hominem serão excluídos.