Compartilhe esta página no Facebook

Compartilhe esta página no G+

Pesquisar no site

A Verdade e a Realidade


Segundo a Filosofia, que estabeleceu os principais conceitos utilizados tanto pela Ciência quanto pela Religião, existem duas formas para a verdade, a "verdade de razão", aquela cujo oposto é impossível, e a "verdade de fato", circunstancial e cujo oposto é possível. A verdade de razão é utópica, existe somente na mente humana. A "verdade de fato" é circunstancial e coerente com a vida prática, é sobre esta e sobre a realidade que as linhas seguintes se referem.

A Natureza da Verdade

Embora para quase a totalidade das pessoas verdade e realidade sejam a mesma coisa, não o são. Enquanto a realidade é o objeto, a verdade são as informações sobre tal objeto codificadas e armazenadas na mente. Por ser apenas uma imagem da realidade, a verdade pode ser distorcida e, quanto mais distorcida, mais longe da realidade estará. Como a imaginação e a verdade são armazenadas de forma similar, através de ligações neurais, não é difícil a confusão entre ilusão e realidade por parte das crianças e de adultos pouco exigentes acerca de provas. A verdade é dependente dos métodos de avaliação do observador e, principalmente, da herança cultural. Como as verdades são fundamentais para a sobrevivência na complexa sociedade humana, os pais, a fim de dar competitividade à sua linhagem, transmitem um pacote de verdades práticas ao novo indivíduo ao longo de sua vida. Estas verdades são tão bem aceitas pela sociedade, e introduzidas tão lentamente no novo indivíduo, que o faz ter a sensação de que as verdades são naturais mesmo estando fora da realidade. A maioria das pessoas nunca questionará as verdades sociais, porque a própria sociedade impõe condições (prêmios e punições) que façam valer suas verdades. Cada pessoa carrega em si uma falsa, porém potente, impressão de que a verdade é uma imagem perfeita da realidade, senão a própria realidade.

Os Equívocos

Verdades podem ser equívocos, os quais são encontrados em todos os setores da vida humana em maior ou menor grau. Basta fazer uma breve análise nas crenças religiosas para se detectar alguns destes equívocos. Por exemplo, no hinduísmo, há dezenas de divindades; no islamismo há apenas uma divindade, Alá; no cristianismo, seus teólogos afirmam que a divindade também é una mesmo formada por três pessoas, a Santíssima Trindade. Observe a evidente divergência, mas nenhuma entre as três religiões é capaz de admitir que a sua verdade está equivocada. Se há três versões para as formas de divindades e estas não podem coexistir, então pelo menos duas versões não são válidas. É claro que os crentes de cada religião dirão que as outras estão equivocadas, e até apresentarão fortes motivos para isso. Buda, Jesus e Maomé revelam suas verdades, mas estariam coerentes com a realidade? Infelizmente somente o descompromisso emocional pode responder a esta questão.

A Insuficiência da Fé Religiosa

Desde tempos remotos o homem tem confiado sua vida à fé, como se esta fosse um sexto sentido ou uma doação divina. Verificando alguns textos bíblicos como Romanos 14.23 e Hebreus 11.1, constata-se que, no cristianismo, a fé é um sentimento de certeza, mas infelizmente a certeza não é garantia de sonho realizado e não poucos são traídos por ela. Os sentimentos são interações químicas que imitam os sentidos e as sensações para questões de sobrevivência, são bons e importantes, inclusive a tristeza e o medo, entretanto é senso comum que estes deveriam ser mantidos sob o controle da razão. O problema é que os desejos submetem a razão ao seu domínio quando a fé religiosa é praticada, o que torna a razão apenas uma ferramenta a serviço dos sentimentos. Pode-se constatar na prática que explicações baseadas na fé resultam em múltiplas e até antagônicas definições para uma mesma coisa, como no caso de Deus, o qual difere bruscamente de uma para outra religião, ou seja, a fé, de fato, não é referência para se formular uma verdade condizente com a realidade.

A Realidade

A origem da palavra realidade vem do latim "rei" que significa "bens materiais". Isto nos dá uma referência, um ponto de partida para entender a realidade, pois ela é aquilo que estimula nossos sentidos como visão e tato, nos revelando um Universo que não se submete aos nossos caprichos, que se impõe como realidade pela força, eliminando os organismos vivos que não se adaptam. Por este motivo as verdades, entre elas as religiosas, confundem-se com a realidade, por se utilizarem da força, quando não física, psicológica. O que vai além dos sentidos e da razão deveria ser considerado suposição até que evidências materiais lhe concedessem status de realidade, porém tal princípio é ignorado pela maioria de nós.

Epílogo

Substituindo orações por remédios, carroças por automóveis, pombos correios por smartfones, satélites e internet, o método científico vem demonstrando que é a melhor forma, até o momento, de se chegar a verdades que reflitam satisfatoriamente a realidade.

"Toda a nossa ciência, comparada com a realidade, é primitiva e infantil e, no entanto, é a coisa mais preciosa que temos." Albert Einstein

1 comment:

  1. A CIÊNCIA EXPLICA ALGUMA COISA, E TEM EXPLICADO MUITAS .MAS A RELIGIÂO NADA EXPLICA E NUNCA EXPLICOU. FÉ E COISA PRIMITIVA DOS QUE NÂO PODE PROVAR NADA. E MORREM SEM SABER DE NADA...

    ReplyDelete

Pregações, palavras de baixo calão, ofensas pessoais, práticas de trollagem, rotulações e argumentos ad hominem serão excluídos.