#Compartilhe

Compartilhe esta postagem no Facebook

Compartilhe esta postagem no G+

Pesquisar no site

Crentes que Furtam


Nota: O texto que segue não busca generalizar nem demonstrar que crentes desonestos furtam ou roubam incentivados pela fé, pelo contrário, as doutrinas de todas as religiões são contra estas práticas. O que se deseja demonstrar é que a crença em Deus não torna as pessoas honestas como se espera, nem a descrença as torna desonestas.

Certa ocasião precisei consertar um equipamento, mas uma importante ferramenta havia sido furtada da caixa de ferramentas de uso comum do setor no qual eu trabalhava, me causando sério transtorno. Porém esta não havia sido a primeira vez. Houve ocasião de sumir quase todas as ferramentas em um mesmo dia, um verdadeiro saque. Nesta ultima ocasião resolvi fazer um levantamento retrospectivo e concluí que o sumiço de ferramentas era em torno de um a dois por semana. Todas as vezes que 'arrastões' ocorriam comprávamos novas ferramentas e um cadeado. O problema é que sempre um colega perdia a sua chave e, para não deixá-lo na mão, passávamos a não fechar o cadeado até chegarmos ao ponto de o abolirmos. Mas tão logo os ladrões tomavam conhecimento disso, nossa caixa de ferramentas era novamente saqueada.

Certo dia tive uma ideia inusitada, escrevi em uma etiqueta adesiva uma frase e colei dentro da caixa. O conteúdo: "Quem levar qualquer objeto desta caixa sem autorização será castigado por Deus, e também seus familiares, com doença grave". Acredite, passaram-se quase 4 meses até que sumisse alguma coisa de lá e, aos poucos, foram se revelando os ladrões, os quais vinham de outros setores da empresa pedir ferramentas emprestadas, todos crentes na existência de Deus. É de fácil dedução que, se antes ninguém nos pedia ferramentas, os responsáveis pelos furtos passaram a pedir para evitarem 'a abominável maldição da etiqueta!'.

Pelo que sabíamos, havia dois ateus e um agnóstico no setor, e uma coisa ficou clara: Os ateus daquela empresa não furtavam ferramentas mesmo não tendo ameaça alguma sobre sua consciência, o que comprovava sua honestidade genuína, mas certos crentes em Deus precisavam ser ameaçados e condicionados para não furtarem. Talvez esta situação seja encontrada em muitas outras áreas da vida, pois pesquisas demonstram que violência e corrupção são muito menores em países com população de maioria ateia.

"Ser um ateu requer força mental e bondade de coração encontradas em um entre milhares." Samuel Taylor Coleridge, poeta, crítico, jornalista e filósofo Inglês.

10 comments:

  1. Cara, nem os 10 mandamentos fazem mais efeito sobre essa galera.. Puta que pariu!!

    ReplyDelete
  2. Resumindo os 2 ladrões acreditavam em Deus.

    ReplyDelete
  3. ADAMANTDOG6:40 PM

    kkkkkkkkkkkkk esta foi boa Iran kkkkkkkkk
    Os dois ladrões criam em Deus

    ReplyDelete
  4. Gustavo7:46 PM

    Hahahaha... parece comédia!
    Ótimo site!

    ReplyDelete
  5. Engraçado!

    A universidade da Califórnia numa pesquisa tentou entender o porquê de algo que eu já havia observado: “ateus ou agnósticos tendem a agir mais por compaixão do que os mais religiosos” (Uol Notícias - 01/05/12).

    http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2012/05/01/ateus-ou-agnosticos-tendem-a-agir-mais-por-compaixao-do-que-os-mais-religiosos-diz-estudo.htm

    Se encontrassem a causa, talvez ela explicasse tundo junto:

    - A questão narrada no texto;
    - A falta de compaixão;
    - A fama de caloteiros;
    - Por que então são religiosos.

    Ainda sobre a falta de compaixão encontrei esse trecho:

    Mais de 1330 pessoas tiveram suas vidas analisadas nos EUA. Segundo os pesquisadores, as pessoas menos religiosas se guiavam mais pela compaixão ao fazer um ato de caridade (como oferecer o assento no transporte público a estranhos). Entre os devotos, foi notado o inverso.

    Outro estudo concluiu exatamente a mesma coisa. Mais de 200 pessoas participaram de um jogo. Cada uma delas recebeu uma quantidade de pontos que poderia ser trocada por dinheiro. A pessoa podia decidir se compartilhava ou se guardava os pontos. O estudo concluiu que nos menos religiosos, a compaixão pesou muito mais nas atitudes a favor do grupo. Entre os mais devotos, a compaixão pouco influiu.

    Misteriosdomundo.com

    ReplyDelete
  6. RNONATO9:20 AM

    Realmente é muito engraçado!

    Tome-se o exemplo aqui do Brasil: quando há enchentes em Santa Catarina ou seca no Nordeste são as igrejas dos agnósticos e as dos militantes anticristãos que se destacam na ajuda social. Centenas de caminhões, aviões e trens transportam os bens doados pelas comunidades sem Deus.

    Essas comunidades – outrora chamadas de ateístas - têm muitas escolas, hospitais, associações beneficentes, universidades e outras boas ações para cuidar do próximo, com base no tradicional amor que sempre cultuaram.

    Hospitais de religiosos? Nem pensar!

    A igreja católica é a instituição que tem mais leitos em hospitais no mundo, mas todos são mantidos com doações exclusivamente dos não religiosos...

    Saudações

    ReplyDelete
    Replies
    1. Jander9:44 AM

      Bill Gates e Mark Zuckerberg (ateus) são uns dos homens mais ricos do mundo e os maiores doadores para obras filantrópicas do planeta, e assim anonimamente ateus têm participado de ações humanitárias. Bill Gates convidou os 10 homens mais ricos dos EUA a doarem suas riquezas pessoais após a morte a instituições filantrópicas. Qual a reação desses homens? Somente os agnósticos e ateus como Zuckerberg aceitaram o desafio, os religiosos se negaram. Teístas gostam de aparecer com suas instituições filantrópicas fazendo tocar trombeta, o que Jesus proibia. Milhares de ateus criam ONGs filantrópicas sem buscarem glória nem precisarem ser ameaçados de condenação eterna para serem naturalmente bons.

      Delete
    2. Jhonnes10:03 AM

      Gostei muito do site, mas tenho uma ressalva a fazer. É que Bill Gates não é ateu e nem teísta, ele é agnóstico. Se os autores deste belíssimo site zelam pela verdade, como afirmam, deveriam corrigir este erro, espero uma resposta.

      Delete
    3. Caro Jhonnes,
      primeiramente gostaria de agradecer sua participação. Fiz uma breve pesquisa sobre o assunto e conclui que sua observação procede. Tão logo seja possível, faremos as devidas alterações.
      Felicidades. Volte sempre.

      Delete
  7. Caro RNONATO

    Não pretendo discordar em nada do que você quis dizer com o que disse. Até porque acho, por falha minha, que não estamos nos referindo aos mesmos crentes. Sou de origem católica e considero esses um povo decente. Minha avó, que me levava à igreja, era um exemplo disso, mas morreu com tios meus tentando insistentemente convertê-la ao protestantismo. E acho que hoje eles a têm sem salvação, o que seria muito injusto.

    Da igreja católica só abomino a história e a ostentação.

    Ainda criança ouvia dizerem que não se deve fazer negócio com crente (evangélico). Um dia fui convencido a ver com maus olhos a doutrina católica e a frequentar igrejas protestantes (difícil convencer a mim mesmo de que Maria nada tinha de mãe celestial e intercessora), foi quando pude constatar o que ouvia. É de impressionar. Sei que não é de bom senso generalizar, porque há sim exceções, mas todos fazemos quase sempre que entendemos por maioria significativa.

    A pesquisa foi feita nos Estados Unidos, de predomínio protestante, o que só vem a me respaldar. Tento entender como pessoas conseguem ao mesmo tempo “amar” e ignorar seu deus. Tem algo estranhamente errado.

    Vim buscar uma verdade e acabei pulando uma etapa. Antes que judeus me causassem a cerca de Jesus a mesma frustração que senti por Maria, joguei tudo para o espaço. Se todos se acham os certos por adorar os seus deuses (inclua aí Shiva e outros), por que é errado ficar de fora, tentando entender ou rejeitar toda essa bagunça?

    Se você é uma boa “alma”, do tipo que não vê maldade alheia, saiba que a vida me ensinou e eu repasso aos meus:

    - Na justiça dos homens todos somos inocentes até que se prove o contrário, pois pior é condenar um inocente do que deixar livre um culpado.
    - Na justiça da vida todos são “demônios” até que te provem o contrário.

    E você nem pode discordar:

    “Vós que sois maus...”
    “Não há um justo, um sequer”

    Duas coisas então eu pediria a Deus:

    - Exista;
    - Se existe, desculpe por eu ser assim.

    Aqui eu questiono, aqui eu desabafo, mas tento manter minha mente aberta.

    Saudações

    ReplyDelete

Pregações, palavras de baixo calão, ofensas pessoais, práticas de trollagem, rotulações e argumentos ad hominem serão excluídos.