Compartilhe esta página no Facebook

Compartilhe esta página no G+

Pesquisar no site

Cientistas Ateus Prêmio Nobel

Medalha do prêmio Nobel
Recentemente me deparei com uma frase desonesta na internet que sugere não haver cientistas ateus laureados com o prêmio Nobel. Para minha surpresa tive dificuldade em encontrar algum site em língua portuguesa que desfizesse tal equívoco. Com a finalidade de preencher esta lacuna, realizei uma pesquisa cujo resultado exponho abaixo.

Andrei Sakharov

Andrei Sakharov
Físico nuclear soviético, dissidente e ativista dos direitos humanos. Ganhou notoriedade como o designer da terceira ideia da União Soviética, um codinome para o desenvolvimento soviético de armas termonucleares. Sakharov foi um defensor das liberdades civis e reformas civis na União Soviética. Foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz em 1975. O Prêmio Sakharov, que é atribuído anualmente pelo Parlamento Europeu para as pessoas e organizações dedicadas aos direitos humanos e liberdades, foi instituído em sua honra.

Erwin Schrödinger

Erwin Schrödinger
Físico teórico austríaco, conhecido por suas contribuições à mecânica quântica, especialmente a equação de Schrödinger, pela qual recebeu o Nobel de Física em 1933. Propôs o experimento mental conhecido como o Gato de Schrödinger e participou da 4ª, 5ª, 7ª e 8ª Conferência de Solvay. Deu ainda grande atenção aos aspectos filosóficos da ciência, bem como a conceitos filosóficos, à ética e às religiões orientais e antigas

Eugene Wigner

Eugene Wigner
Físico teórico e matemático húngaro-americano. Recebeu parte do Prêmio Nobel de Física em 1963 por suas contribuições para a teoria do núcleo atômico e partículas elementares através da descoberta e aplicação dos princípios fundamentais de simetria. Foi Eugene Wigne que primeiro identificou o "envenenamento" Xe-135 em reatores nucleares, e por esta razão, é por vezes referido como o envenenamento Wigner. Wigner também foi importante pelo seu trabalho em matemática pura, sendo o autor de uma série de teoremas. Em particular, o teorema de Wigner é uma pedra angular na formulação matemática da mecânica quântica.

Georges Charpak

Georges Charpak
Físico francês de família judia-polonesa que foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física em 1992. As obras de Georges Charpak foram dedicadas à física nuclear e à física das partículas de alta energia, para as quais os detetores que inventou substituíram todos que existiam até então. Criou métodos que permitiram aplicações nas radiografias com doses de radiações ionizantes muito inferiores às utilizadas anteriormente.

Hans Bethe

Hans Bethe
Físico nuclear germano-americano e ganhador do Prêmio Nobel de Física por seu trabalho sobre a teoria da nucleossíntese estelar. Físico teórico versátil, Bethe também fez contribuições importantes para a eletrodinâmica quântica, física nuclear, física do estado sólido e astrofísica. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi chefe da Divisão Teórica do laboratório secreto de Los Alamos, que desenvolveu as primeiras bombas atômicas. Desempenhou um papel fundamental para o cálculo da massa crítica das bombas, e fez um trabalho teórico sobre o método de implosão usado tanto no teste Trinity quanto na bomba "Fat Man" que caiu sobre Nagasaki.

Harold Urey

Harold Urey
Físico-químico americano. Seus trabalhos enfocaram inicialmente no isolamento de isótopos pesados de hidrogênio, oxigênio, nitrogênio, carbono e enxofre, sendo laureado com o Nobel de Química de 1934, pela obtenção do deutério (hidrogênio pesado) e pelo isolamento da água pesada (óxido de deutério, D2O). Contribuiu no desenvolvimento da bomba de hidrogênio. Se dedicou também a realizar pesquisas sobre geofísica, ao estudo da origem do Sistema solar e sobre paleontologia. Contribuiu para o desenvolvimento da cosmoquímica e é-lhe atribuído a criação do termo. Em seus estudos sobre o oxigénio 18 foi levado a desenvolver teorias sobre abundância dos produtos químicos na Terra e abundância e evolução nos astros num trabalho pioneiro. Sumarizou o seu trabalho no livro "Os planetas: sua origem e desenvolvimento (1952)". Urey especulava que, nos primórdios da Terra, a atmosfera seria provavelmente composta de amônia, metano e hidrogênio; um dos seus alunos de Chicago, Stanley L. Miller, demonstrou que, se uma mistura desses gases fosse exposta a radiação ultravioleta e água, poderia interagir para produzir aminoácidos, chamados vulgarmente de "bases da construção da vida". Além do Prêmio Nobel, obteve em 1966 a Medalha de Ouro da Royal Astronomical Society. Uma cratera na Lua foi batizada com o seu nome, em sua homenagem.

Igor Tamm

Igor Tamm
Físico soviético. Em 1932 publicou um documento com sua proposta do conceito de estados de superfície. Esse conceito é importante para a física MOSFET. Em 1934, Tamm e Semen Altshuller sugeriram que o nêutron tem um momento magnético não-zero, a ideia foi recebida com ceticismo na época, esta possibilidade foi posteriormente confirmada por Hideki Yukawa em uma teoria das forças mésons. Em 1945 ele desenvolveu um método de aproximação para a física de muitos corpos. Como Sidney Dancoff desenvolveu de forma independente em 1950, é agora chamado a aproximação Tamm-Dancoff. Foi o ganhador do Prêmio Nobel de Física no ano de 1958, juntamente com Pavel Cherenkov e Ilya Frank pela descoberta e a interpretação do efeito Cherenkov-Vavilov. Trabalhou como chefe do grupo teórico desenvolvedor da bomba de hidrogênio russa. Em 1951, juntamente com Andrei Sakharov, Tamm propôs um sistema tokamak para a realização de testes com matéria no estado plasmático que ainda é o dispositivo de confinamento magnético dominante.

Irène Joliot-Curie

Irène Joliot-Curie
Filha de Pierre Curie e Marie Curie, mulher de Frédéric Joliot, todos físicos e químicos famosos. Trabalhou toda a sua vida com seu marido no campo da estrutura do átomo e da física nuclear. Demonstraram a existência do nêutron, e descobriram em 1934 a radioatividade artificial. Com base no trabalho de seus pais, os quais tinham isolado elementos naturalmente radioativos, Joliot-Curie realizou o sonho dos alquimistas de transformar um elemento em outro, como a criação de nitrogênio radioativo a partir de isótopos de boro e fósforo radioativo a partir de alumínio. Esta descoberta levou a uma capacidade de criar materiais radioativos rápida, barata e abundante, tornando a aplicação destes materiais cada vez mais crescente na medicina. Por tal trabalho Joliot-Curie recebeu o prêmio Nobel de Química em 1935.

Ivan Pavlov

Ivan Pavlov
Psicólogo e médico russo. Foi premiado com o Nobel de Medicina/Fisiologia de 1904, por suas descobertas sobre os processos digestivos de animais. Ivan Pavlov veio no entanto a entrar para a história por sua pesquisa em um campo que se apresentou a ele quase que por acaso: o papel do condicionamento na psicologia do comportamento (reflexo condicionado). Essa descoberta abriu caminho para o desenvolvimento da reflexologia e psicologia comportamental e mostrou ter ampla aplicação prática, inclusive no tratamento de fobias e nos anúncios publicitários entre outras aplicações da medicina e ciências cognitivas.

Jack Steinberger

Jack Steinberger
Físico germano-americano-suíço, codescobridor do neutrino e do múon. Recebeu o Nobel de Física de 1988, juntamente com Leon Max Lederman e Melvin Schwartz, por terem desenvolvido um método para produzir feixes de neutrinos, o que levou à descoberta de uma segunda espécie dessa partícula: o neutrino do múon. Esses experimentos foram realizados na Universidade de Columbia no início da década de 1960. Em 1968 transferiu-se para o CERN, onde trabalhou em inúmeras experiências sobre neutrinos.

Jean Baptiste Perrin

Jean Baptiste Perrin
Físico francês. Recebeu em 1926 o Nobel de Física, por estudos sobre a estrutura descontínua da matéria e, em especial, pela descoberta do equilíbrio na sedimentação. Os primeiros trabalhos de Perrin estava no campo de desenvolvimento de raios catódicos e raios-x. Em 1895, ele estabeleceu o resultado importante que os raios catódicos são desviados por um campo magnético e, portanto, carregam uma carga negativa. Sua obra mais importante, porém, foi em movimento browniano e a hipótese molecular. Em 1828, Robert Brown relatou que o pólen granulado imerso na água mudava de forma contínua e irregular. Albert Einstein, ao efetuar as correções necessárias para a temperatura, o tamanho das partículas e da natureza do líquido envolvido, fez previsões precisas sobre o quanto uma partícula deve viajar em um dado momento. Em 1908, Perrin foi finalmente capaz de confirmar as predições de Einstein experimentalmente. Desta forma foi capaz de mensurar o tamanho da molécula de água e o valor exato para o número de Avogadro, o que lhe rendeu o prêmio Nobel.

James Chadwick

James Chadwick
Físico inglês. Sua principal contribuição para o desenvolvimento da física ocorreu em 1932, data em que descobriu a partícula do núcleo atômico, que passou a ser conhecida por nêutron, devido ao fato de não ter carga elétrica. Pela sua descoberta, divulgada à comunidade científica na obra "Possible Existence of Neutron", obteve em 1935 o Nobel de Física. Foi também professor de física em Liverpool (1935-1948) e diretor do Gonville and Caius College (1948-1958), na Segunda Guerra Mundial esteve ligado ao projeto da primeira bomba atômica, tendo sido conselheiro científico de Robert Oppenheimer, o diretor do Projeto Manhattan no Laboratório Nacional de Los Alamos, Estados Unidos. As suas descobertas foram aceitas unanimemente na comunidade física da época e garantiram-lhe a atribuição de diversos prêmios, honras e condecorações, entre os quais o Nobel. Foi membro da Royal Society, Académie Royale de Belgique, Kongelige Danske Videnskabernes Selskab, Academia Real das Artes e Ciências dos Países Baixos, Academia de Ciências da Saxônia, Pontifícia Academia das Ciências, do Instituto Franklin, da American Philosophical Society e da American Physical Society. Como reconhecimento da importância dos seus trabalhos, foi-lhe atribuído o grau de Doutor Honoris Causa nas Universidades de Dublin, Leeds, Oxford, Birmingham, Montreal (McGill), Liverpool e Edinburgo.

James D. Watson

James D. Watson
Biólogo molecular, geneticista e zoologista americano. É um dos autores do "modelo de dupla hélice" para a estrutura da molécula de DNA. Pelo trabalho publicado em 1953 na revista Nature foi laureado com o Nobel de Medicina/Fisiologia de 1962, juntamente com Francis Crick e Maurice Wilkins. Eles descobriram que a molécula de DNA é formada por compostos químicos chamados nucleotídeos. Cada nucleotídeo consta de três partes: um açúcar chamado desoxirribose, um grupo fosfórico e uma das quatro possíveis bases nitrogenadas: adenina (A), timina (T), guanina (G) e citosina (C). Posteriormente Arthur Kornberg apresentou provas experimentais da exatidão do modelo apresentado. Em 1968 Watson foi diretor do Laboratório de Biologia Quantitativa de Cold Spring Harbor, Nova Iorque. Escreveu The Double Helix (A Dupla Hélice, 1968), história da descoberta da estrutura do DNA. Participou no Projecto do Genoma Humano. Em 2010 foi eleito presidente do Comité Científico da Fundação Champalimaud.

John Sulston

John Sulston
Biólogo britânico. Por seu trabalho na linhagem celular e genoma do nemátodo Caenorhabditis elegans, foi-lhe atribuído o Prêmio Nobel de Medicina/Fisiologia em 2002 com Sydney Brenner e H. Robert Horvitz. A partir de 2014 se tornou presidente do Instituto para a Ciência, Ética e Inovação da Universidade de Manchester. Seus trabalhos sobre o genoma de C. elegans levou à sua participação ativa no Projeto Genoma Humano. Ele, com Georgina Ferry, narra sua carreira em "O traço comum: A História da Ciência, Política, Ética e do Genoma Humano" (2002).

Julius Axelrod

Julius Axelrod
Bioquímico norte-americano. Ganhou o Prêmio Nobel de Medicina/Fisiologia em 1970 junto com Bernard Katz e Ulf von Euler. O Comitê Nobel o honrou por seu trabalho sobre a liberação e recaptação dos neurotransmissores de catecolaminas, uma classe de substâncias químicas no cérebro que incluem adrenalina, noradrenalina e, como foi descoberto mais tarde, a dopamina. Axelrod também fez grandes contribuições para a compreensão da glândula pineal e como ela é regulada durante o ciclo sono-vigília.

Linus Pauling

Linus Pauling
Químico americano. Por seu trabalho científico, Pauling recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1954. Em 1962, por seu ativismo, ele foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz. Isso faz dele a única pessoa a receber dois prêmios Nobel não compartilhados. Ele é um dos únicos quatro indivíduos a ter ganho mais de um Prêmio Nobel (os outros são Marie Curie, John Bardeen, e Frederick Sanger). Pauling também é uma das duas pessoas a serem concedidos prêmios Nobel em campos diferentes, sendo o outro Marie Curie.

Max Perutz 

Max Perutz 
Biólogo molecular britânico nascido na Áustria. Dividiu o Prêmio Nobel de Química de 1962 com John Kendrew por seus estudos sobre as estruturas de hemoglobina e mioglobina. Ganhou também a Medalha Real da Royal Society em 1971 e a Medalha Copley em 1979. Em Cambridge, fundou e presidiu (1962-1979) O Laboratório de Investigação Médica do Conselho de Biologia Molecular, onde 14 de seus cientistas ganharam prêmios Nobel. As contribuições de Perutz à biologia molecular em Cambridge estão documentados em A História da Universidade de Cambridge: Volume 4 (1870-1990), publicado pela Cambridge University Press em 1992.

Marie Curie

Marie Curie
Foi uma cientista polonesa que exerceu a sua atividade profissional na França. Foi a primeira pessoa a ser laureada duas vezes com um Prêmio Nobel, de Física, em 1903 (dividido com seu marido, Pierre Curie, e Becquerel) pelas suas descobertas no campo da radioatividade. Oito anos depois, recebeu o Nobel de Química de 1911, em reconhecimento pelos seus serviços para o avanço da química, com o descobrimento dos elementos rádio e polônio, o isolamento do rádio e o estudo da natureza dos compostos deste elemento. Com uma atitude generosa, não patenteou o processo de isolamento do rádio, permitindo a investigação das propriedades deste elemento por toda a comunidade científica. Foi a primeira pessoa a receber duas vezes o Prêmio Nobel. Outro ateu, Linus Pauling, repetiu o feito, ganhando o Nobel de Química em 1954 e o Nobel da Paz em 1962 e tornou-se a única personalidade a ter recebido dois Prêmios Nobel não compartilhados. Por outro lado, Marie Curie foi a única pessoa a receber duas vezes o Prêmio Nobel, em áreas científicas distintas. Durante a Primeira Guerra Mundial, Curie propôs o uso da radiografia móvel para o tratamento de soldados feridos. Em 1921 visitou os Estados Unidos, onde foi recebida triunfalmente. O motivo da viagem era arrecadar fundos para a pesquisa. Nos seus últimos anos foi assediada por muitos físicos e produtores de cosméticos, que faziam uso de material radioativo sem precauções. Visitou também o Brasil, atraída pela fama das águas radioativas de Lindóia, hoje conhecida pelo nome de Águas de Lindóia. Fundou o Instituto do Rádio, em Paris. Em 1922 tornou-se membro associado livre da Academia de Medicina. Marie Curie morreu de leucemia devido à exposição maciça a radiações durante o seu trabalho. Sua filha mais velha, Irène Joliot-Curie, recebeu o Nobel de Química de 1935. O seu livro "Radioactivité" (escrito ao longo de vários anos), publicado a título póstumo, é considerado um dos documentos fundadores dos estudos relacionados à Radioatividade clássica. Em 1995 seus restos mortais foram transladados para o Panteão de Paris, tornando-se a primeira mulher a ser sepultada neste local.

Michael Smith

Michael Smith
Bioquímico canadense de origem britânica. Vencedor do Prêmio Nobel de 1993 em Química (compartilhado com Kary Mullis) por seu trabalho no desenvolvimento de mutagênese. A carreira de Smith incluiu papéis como o diretor fundador do Laboratório de Biotecnologia UBC (1987 a 1995) e o líder científico fundador da Protein Engineering Network of Centres of Excellence (PENCE). Em 1996, ele foi nomeado Peter Wall Distinguished Professor of Biotechnology. Posteriormente, ele se tornou o diretor fundador do Centro de Sequenciamento do Genoma (agora chamado de Centro de Ciências do Genoma), no BC Cancer Research Centre. Smith recebeu muitos prêmios, além do Nobel, e era conhecido por sua generosidade. Ele doou metade do dinheiro do Prêmio Nobel para os investigadores que trabalham sobre a genética da esquizofrenia. A outra metade ele deu ao BC Science World e à Sociedade de Mulheres canadenses em Ciência e Tecnologia. Recebeu o Prêmio Royal Bank em 1999 e doou para o BC Cancer Foundation.

Niels Bohr

Niels Bohr
Niels Henrik David Bohr foi um físico dinamarquês que fez contribuições fundamentais para a compreensão da estrutura atômica e da teoria quântica, pelo qual recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1922. Bohr foi também um filósofo e um promotor da pesquisa científica. Desenvolveu o modelo atômico de Bohr, no qual propôs que os níveis de energia dos elétrons são discretos e que os elétrons giram em órbitas estáveis ao redor do núcleo atômico, mas pode saltar de um nível de energia (ou órbita) para outro. Embora o modelo de Bohr tenha sido suplantado por outros, muitos de seus princípios permanecem válidos até hoje. Ele concebeu o princípio da complementaridade: que os itens podem ser analisados separadamente em termos de propriedades contraditórias, como comportar-se como uma onda ou uma corrente de partículas. A noção de complementaridade dominou o pensamento de Bohr na ciência e na filosofia. Fundou o Instituto de Física Teórica da Universidade de Copenhagen, agora conhecido como o Instituto Niels Bohr, que foi inaugurado em 1920. Bohr foi mentor e colaborou com muitos físicos, incluindo Hans Kramers, Oskar Klein, George de Hevesy e Werner Heisenberg. Ele previu a existência de um novo elemento que recebeu o nome de háfnio, mais tarde conhecido bohrium element. Bohr fez parte da missão britânica para o Projeto Manhattan. Colaborou com a criação do CERN. E se tornou o primeiro presidente do Instituto Nórdico de Física Teórica, em 1957.

Nikolaas Tinbergen

Nikolaas Tinbergen
Etólogo e ornitólogo holandês. Dividiu o Prêmio Nobel de Medicina/Fisiologia de 1973 com Karl von Frisch e Konrad Lorenz pelas suas descobertas sobre organização e da obtenção de padrões de comportamento individual e social nos animais. Na década de 1960, ele colaborou com o cineasta Hugh Falkus em uma série de filmes de animais selvagens, incluindo The Riddle of the Rook (1972) e Signals for Survival (1969), que ganhou o prêmio Italia naquele ano e American blue ribbon em 1971.

Paul D. Boyer

Paul D. Boyer
Bioquímico e químico analítico americano. Dividiu o Prêmio Nobel de Química de 1997 pela pesquisa conjunta com John E. Walker sobre o "mecanismo enzimático subjacente à biossíntese de adenosina trifosfato (ATP)" (ATP sintase). A outra parte do prêmio foi concedida ao químico dinamarquês Jens Christian Skou por sua descoberta do Na + / K + -ATPase. Em 1981 Boyer já havia sido premiado com a prestigiada medalha Tolman, concedida pela Southern California Section of the American Chemical Society.

Paul Dirac

Paul Dirac
Físico teórico britânico. Fez contribuições fundamentais para o desenvolvimento da Mecânica Quântica e Eletrodinâmica Quântica. Em sua tese, defendida em 1926, desenvolveu uma versão da Mecânica Quântica incorporando a “Mecânica Matricial” de Werner Heisenberg com a “Mecânica Ondulatória” de Erwin Schrödinger num único formalismo matemático. Em 1928 formulou a Equação de Dirac, que descreve o comportamento relativístico do elétron e do férmion e que o levou à previsão da existência da antimatéria, mas precisamente à existência do pósitron, a antipartícula do elétron, que foi observado experimentalmente em 1932 por Carl David Anderson. Participou da 5ª, 6ª, 7ª e 8ª Conferência de Solvay. Recebeu em 1933, junto com Erwin Schrödinger, o Nobel de Física.

Patrick Blackett

Patrick Blackett
Físico experimental Inglês. Em 1947, Blackett introduziu uma teoria para explicar o campo magnético da Terra, em função de sua rotação, com a esperança de unificar tanto a força eletromagnética com a força da gravidade. Ele passou vários anos em desenvolvimento magnetômetros de alta precisão para testar sua teoria, mas sem sucesso. Seus trabalhos sobre o assunto, no entanto, levou-o para o campo da geofísica, onde ele finalmente ajudou a processar dados relativos ao paleomagnetismo, o que proporcionou uma forte evidência para a deriva continental. Em 1948, foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física, por sua investigação sobre os raios cósmicos usando sua invenção da câmara de nuvem controlada por contador. Foi nomeado Chefe do Departamento de Física do Imperial College de Londres em 1953, e se aposentou em julho de 1963. O atual prédio do Departamento de Física da Imperial College é nomeado Laboratório Blackett.

Percy Williams Bridgman

Percy Bridgman
Físico norte-americano que ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1946 por seu trabalho sobre a física de altas pressões. Recebeu Honoris Causa do Instituto Stevens (1934), Harvard (1939), Brooklyn Politécnica (1941), Princeton (1950), Paris (1950) e Yale (1951). Em 1951 recebeu a Medalha Bingham da Sociedade de Reologia. Recebeu o prêmio Rumford da Academia Americana de Artes e Ciências (1919), a Medalha de Cresson Elliott (1932) do Instituto Franklin, a Medalha de Ouro do Fundo Bakhuys  Roozeboom (1933) da Academia Real Holandesa de Artes e Ciências, e o Prêmio Comstock (1933), da Academia Nacional de Ciências. Foi um membro da Sociedade Americana de Física e seu presidente em 1942. Também foi membro da Associação Americana para o Avanço da Ciência, da Academia Americana de Artes e Ciências, da Sociedade filosófica americana, e da Academia Nacional de Ciências. Foi também um membro estrangeiro da Royal Society e membro honorário da Sociedade de Física de Londres. Em 2014, a Comissão de Novos Minerais, Nomenclatura e Classificação (CNMNC) do Mineralogical Association International (IMA) aprovou a "bridgmanite", nome para perovksite estruturada (Mg, Fe) SiO3, o mineral mais abundante da Terra, em honra à sua pesquisa de alta pressão. A Percy W. Bridgman House, em Massachusetts, é um marco histórico americano designado em 1975.

Peter Higgs

Peter Higgs
Físico teórico britânico e professor emérito da Universidade de Edimburgo. Higgs é conhecido por sua proposta de 1960 de quebra da simetria na teoria “eletrofraca”, explicando a origem da massa das partículas elementares em geral e, em particular, dos bósons W e Z. O assim chamado mecanismo de Higgs prevê a existência de uma nova partícula, o bóson de Higgs (muitas vezes descrita como "a mais procurada partícula na física moderna"). Identificado pelo CERN, o bóson de Higgs teve sua existência oficialmente anunciada para o mundo em 4 de julho de 2012. O mecanismo de Higgs é tido como um ingrediente importante no modelo padrão de partículas físicas, sem a qual as partículas não teriam massa. Foi homenageado com uma série de prêmios em reconhecimento de seu trabalho, incluindo a Medalha Dirac pelas contribuições à física teórica do Instituto de Física em 1997, o Prêmio High Energy and Particle Physics pela Sociedade Europeia de Física em 1997, o Prêmio Wolf de Física em 2004 e o Nobel de Física de 2013.

Philip W. Anderson

Philip W. Anderson
Físico americano. Foi um dos destinatários do Prêmio Nobel de Física em 1977. Desenvolveu o que hoje é chamado de localização de Anderson (a ideia de que estados estendidos podem ser localizados pela presença de desordem em um sistema); inventou o Hamiltoniano de Anderson, que descreve a interação site-wise de elétrons em um metal de transição; desenvolveu o que hoje é chamado o mecanismo de "Higgs" para a geração de massa nas partículas elementares; criou a abordagem pseudospin à teoria da supercondutividade BCS; fez estudos seminais de emparelhamento non-s-wave na superfluidez de He3; e ajudou a fundar a área de spin-glasses.

Pierre Curie

Pierre Curie
Físico francês, pioneiro no estudo da cristalografia, magnetismo, piezoeletricidade e radioatividade. Recebeu o Nobel de Física de 1903, juntamente com a sua mulher Marie Curie, outra famosa física: "em reconhecimento pelos extraordinários serviços que ambos prestaram através da suas pesquisas conjuntas sobre os fenômenos da radiação descobertos pelo professor Henri Becquerel".

Richard J. Roberts

Richard J. Roberts
Bioquímico e biólogo molecular britânico. Ganhou o Prêmio Nobel de Medicina/Fisiologia em 1993 pela descoberta dos introns no DNA eucariótico e do mecanismo de gene-splicing. Foi premiado com um grau honorário (Doctor of Science) pela Universidade de Bath, em 1994. Doou uma quantia substancial de seus ganhos do prêmio Nobel à Beechen Cliff School e à Universidade de Sheffield. Roberts foi um dos signatários do Manifesto Humanista. Foi nomeado cavaleiro nos Birthday Honours 2008. É membro do Conselho Consultivo da Inovação Paciente, um local sem fins lucrativos, internacional, multilingual, gratuito para pacientes e cuidadores de qualquer doença para compartilhamento de inovações.

Steven Weinberg

Steven Weinberg
Físico teórico americano. Detém a Josey Regental Chair in Science da University of Texas, em Austin, onde é membro do Departamento de física e astronomia. Sua pesquisa sobre partículas elementares e cosmologia foi agraciada com inúmeros prêmios e distinções. Em 1991 recebeu a Medalha Nacional de Ciência. Em 2004, a Medalha Benjamin Franklin da Sociedade Filosófica Americana, com uma citação que dizia "considerado por muitos como o físico teórico preeminente vivo no mundo de hoje". Foi eleito para a Academia Nacional de Ciências dos EUA e para a Sociedade Real Britânica, bem como para a American Philosophical Society e para a Academia Americana de Artes e Ciências. Recebeu em 1979 o Nobel de Física, por seu trabalho de unificação de duas forças fundamentais da natureza (o electromagnetismo e a força fraca, através da formulação da teoria da força eletrofraca), em conjunto com os seus colegas Abdus Salam e Sheldon Glashow.

Subrahmanyan Chandrasekhar

Subrahmanyan
Chandrasekhar
Astrofísico hindu-americano conhecido por seu trabalho teórico sobre a estrutura e evolução das estrelas. Foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física em 1983. Chandrasekhar, em períodos distintos, trabalhou em várias áreas, incluindo: a estrutura estelar, a teoria das anãs brancas, dinâmica estelar, a teoria da transferência radiativa, a teoria quântica do ânion hidrogênio, estabilidade hidrodinâmica e hidromagnética, relatividade geral, teoria matemática dos buracos negros, e teoria de colisão de ondas gravitacionais. Na Universidade de Cambridge, desenvolveu um modelo teórico que explica a estrutura de estrelas anãs brancas que levaram em conta a variação da massa relativista com as velocidades dos elétrons que compõem sua matéria degenerada. Mostrou que a massa de uma anã branca não podia exceder 1,44 vezes a do Sol - o limite de Chandrasekhar. Revisou os modelos de dinâmica estelar originadas por Jan Oort, considerando os efeitos das oscilações de campos gravitacionais dentro da Via Láctea em estrelas que giram em torno do centro da galáxia. Sua solução para este problema dinâmico complexo, envolveu um conjunto de vinte equações diferenciais parciais, descrevendo uma nova quantidade que ele cunhou de "atrito dinâmico", que tem o duplo efeito: desacelerar a estrela e estabilizar aglomerados de estrelas. Chandrasekhar estendeu essa análise para o meio interestelar, mostrando que nuvens de gás e poeira galáctica são distribuídas de forma muito desigual.

Wilhelm Ostwald

Wilhelm Ostwald
Químico alemão. Em 1900 descobriu o processo de preparação do ácido nítrico a partir da oxidação do amoníaco, usando como catalisador a platina, o que facilitou a produção em massa de fertilizantes e explosivos para a Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial. Construiu um viscosímetro que atualmente ainda é utilizado para medir a viscosidade das soluções, denominado "viscosímetro de Ostwald". Recebeu o Nobel de Química de 1909, por suas pesquisas sobre a catálise. Formulou a lei de Ostwald, que rege os fenômenos da dissociação dos eletrólitos nas dissoluções. Propôs uma nova teoria da cor, defendendo a normatização das cores. Destacou-se, além disso, como escritor e editor científico.

William Shockley

William Shockley
Físico americano. Em 1951 foi eleito membro da Academia Nacional de Ciências (NAS). Dois anos depois, foi escolhido como o destinatário do prestigiado Prêmio Comstock de Física da NAS. Em 1956 foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física pela invenção do transistor. Em 1955, Shockley se juntou a Beckman Instruments, onde foi nomeado como Diretor da recém-fundada Beckman Shockley Semicondutor Laboratory. Ao longo de 20 anos, oito de seus ex-funcionários começaram 65 novas empresas. Shockley com a Semicondutor e mais estas empresas, formou o núcleo do que se tornou o Vale do Silício.

Zhores Alferov

Zhores Alferov
Físico bielorrusso. Contribuiu significativamente para a criação da física heterostruturada moderna e eletrônica. Inventor do heterotransistor e vencedor do Prêmio Nobel de Física de 2000. É também político russo e membro do Parlamento do Estado Russo, a Duma, desde 1995. Ultimamente se tornou um dos membros mais influentes do Partido Comunista da Federação Russa.



"Se todas as conquistas da Ciência fossem eliminadas amanhã, não haveria mais médicos, apenas curandeiros. Não haveria transportes mais rápidos que cavalos, nem computadores, nem livros impressos, nem agricultura mais avançada que a de subsistência. Agora, se todas as conquistas das religiões fossem eliminadas, alguém notaria a diferença?". Richard Dawkins

---
Fonte principal: Wikipédia em língua inglesa.
Nota: Para esta pesquisa foram considerados os prêmios Nobel de Física, Química, Medicina ou Fisiologia e da Paz. Não foram considerados cientistas de posição ateísta duvidosa como o agnóstico Albert Einstein, cientistas econômicos e ateus não-cientistas como Mikail Gorbachev e José Saramago, entre outros.

Ver também Amados, Odiados e Idolatrados Ateus (Ateus Famosos), Frases de Céticos e Ateus Proeminentes e Ateísmo no Mundo.

20 comments:

  1. Quem é desonesto com sua própria consciência, será desonesto em qualquer situação. Site excelente!

    ReplyDelete
  2. Fico feliz em "ouvir" isto de alguém batizado de "Mohamed". Olá Alexandre!

    ReplyDelete
  3. Olá Warlei! Fico feliz por revê-lo aqui, sempre nos apoiando neste trabalho árduo, mas recompensador. Desejo tudo de bom para você e família neste novo ano!

    Caro Mohamed, sou grato por sua visita a este espaço que também é seu. Sinta-se em casa.

    ReplyDelete
  4. Puxa, que coletânea de primeira ordem. Parabéns, que deve ter dado uma deliciosa trabalheira, para ter ficado tão bom. Fico feliz quando vejo umn trabalho tão bem feito.

    ReplyDelete
  5. Existe muitos prêmios Nobel que não eram ateus.

    ReplyDelete
  6. Sim, os que não são ateus, ou não eram, deverão estar numa outra lista, e não nessa.

    ReplyDelete
    Replies
    1. hahahahahaha turn down for what

      Delete
  7. Legal! Se conseguir, faça uma lista como a minha depois. https://siteneoateutoddynho.wordpress.com/2015/05/17/305/

    ReplyDelete
  8. Perfeito. Mais uma vez as mentiras dos religiosos caem.

    ReplyDelete
  9. Perfeito. Mais uma vez as mentiras dos religiosos caem.

    ReplyDelete
  10. Existem prêmios Nobel ateus e cristãos... Porém é certo que a noção de Deus é uma característica exclusiva dos racionais... da mesma forma que TODOS os irracionais são ateus...

    ReplyDelete
    Replies
    1. Verdade, animais e plantas, por exemplo, não acreditam na existência de Deus ou de qualquer outra coisa, nem mesmo na sua própria (com exceção de alguns mamíferos como golfinhos e chimpanzés que parecem ter autoconsciência). Crianças também nascem naturalmente ateias, depois artificialmente passam a acreditar em divindades quando ensinadas assim e por serem intelectualmente imaturas, incapazes de distinguir entre imaginário e real. Na fase adulta estas crianças precisam de muito exercício intelectual para voltar ao estado natural da descrença em seres imaginários como Alá, Jeová, Mitra, Shiva, Jesus, Krishna e cia. Poucos têm disposição para revisar suas crenças.

      Delete
    2. Perfeito. Ótima explicação...

      Delete
    3. O problema dos ateus é que não conseguem acreditar no óbvio,tudo tem que ser comprovado dentro de um tubo de ensaio ou em um programa de computador,o sobre natural existe,e é ele que forma o natural.

      Delete
  11. verdade Todos nascemos ateus e depois nos perdemos na loucura coletiva!!!

    ReplyDelete
  12. Qualquer Religioso que afirme não existir Cientistas Ateísta,esquece dos próprios Hereges.

    ReplyDelete
  13. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  14. 65,4% dos ganhadores do Prêmio Nobel de 1901 ao ano de 2000 se identificaram com o cristianismo, e 20% com o judaísmo, portanto, 85,4% dos Prêmio Nobel nesse período se identificaram com o Deus de Abraão. Por outro lado, apenas 10,5% dos Prêmio Nobel nesse período de identificaram com o ateísmo e o agnosticismo.
    Sabe o que isso significa? Que esse papo furado de que mentes religiosas não podem fazer ciência não passa disso mesmo: papo furado.

    https://www.facebook.com/ricardo.castro.75641/posts/1342420375821700

    Fonte: https://books.google.com.br/books

    ReplyDelete
    Replies
    1. O triste destes livros que defendem uma maioria de cientistas religiosos é que, mediante o silêncio destes acerca da religião, os imputam a crença familiar como crença pessoal. De fato, a maioria dos prêmios Nobel eram livres pensadores, ou seja, ateus funcionais que se reservavam a não opinar sobre religião, afim de não terem problemas com a sociedade preconceituosa da época e assim não perderem seus investimentos em pesquisas. 10% são apenas aqueles que tiveram a ousadia de se expor.

      Delete

Pregações, palavras de baixo calão, ofensas pessoais, práticas de trollagem, rotulações e argumentos ad hominem serão excluídos.